Tóquio, a “cidade aquática!

A capital do Japão é uma das maiores megalópoles do planeta, uma imensa e pulsante mancha urbana com centenas de quilômetros de linhas de trem e metrô, dezenas de espetaculares edifícios onde matrizes de multinacionais enviam ordens a todo o planeta e milhões de pessoas andando de lá para cá. Mas quase nenhum motorista toca a buzina, as ruas são incólumes e existe um respeito velado pelo próximo. O futuro está nas cidades, então que elas busquem soluções sustentáveis e sociais como as que Tóquio (ou Tokyo) vem buscando concretizar.

A cidade histórica, que remete diretamente ao vilarejo de pescadores no estuário do rio Sumida, está presente em Asakusa – o tradicional distrito comercial com o fotogênico templo Sensoji, e em Ryogoku – onde enormes lutadores de sumô passeiam despreocupadamente em suas bicicletas. A cidade jovem e vanguardista você verá nas sempre animadas ruas de Shibuya e nas baladas de Roppongi – apinhadas de turistas estrangeiros. A alta gastronomia e o consumo de grifes famosas estão espalhados por toda a cidade, mas especialmente em lugares como no bairro de Ginza e na movimentada alameda Omotesando você encarará um público dos mais exigentes. Não importa se o seu destino inclui multicoloridos neons ou calmos jardins, Tóquio continua sendo uma das cidades mais vanguardistas do planeta, mirando em soluções para temas como sustentabilidade, transporte público de massa e poluição (sonora, visual, do ar). Até a famosa sociedade de consumo desenfreado vem dando lugar à atitudes mais responsáveis e frugais.

Tóquio é a terra do sushi, que surgiu em volta de mercados de pescados como o gigantesco Tsukiji, portanto não tente achar opções por aqui com tabasco, cream cheese e maionese. Opções de compras são muitas, variadas e tentadoras, oscilando entre o impecavelmente chique, sedutoramente bem desenhado, docemente fofo (você irá se fartar com Pikachus e Hello Kittys) e insanamente tecnológico (boa parte do melhor em eletrônicos e fotografia fica restrito ao mercado interno). Ou seja, foi com essa mistura de design, funcionalidade e preços razoáveis que o Japão conquistou o mundo e continua chamando a atenção de consumidores em todo planeta.

ARREDORES DE TÓQUIO

Pertinho da cidade há uma grande variedade de bons passeios. De metrô é possível chegar na Tokyo Disneyland, opção para quem viaja com crianças. Na vizinha Yokohama você encontrará um excelente parque aquático, com um enorme aquário, uma das melhores Chinatown do Japão e uma área portuária bastante agradável. Aproveite que está aqui para conhecer Kamakura e seu grande Buda. Para se aprofundar mais em história, não deixe de ir a Nikko, ao norte da capital, uma excursão que leva um dia inteiro, mesmo período que é necessário para fazer um bate-e-volta ao Monte Fuji.

Principais Pontos Turísticos

1. Skytree

skytree tokyo


O primeiro ponto turístico em Tóquio é o Skytree. E se possível, visite o Skytree logo que chegar na cidade, no primeiro dia.
É que do alto dos 634 metros da torre dá para você ver a cidade inteira (e até o Monte Fuji, se o dia estiver aberto) e ter um panorama geral do que é Tóquio. Você consegue se localizar e já ver de cima onde ficam as atrações que quer visitar em seguida.

O Skytree, que tem apenas três anos de funcionamento, é a torre mais alta do Japão e a mais alta do mundo. O passeio já começa nos arredores do Skytree, que tem diversas lojinhas e restaurantes. Uma vez lá dentro, não ignore o elevador, que além de projetar imagens muito bonitas, sobe super rápido, cerca de 350 metros em 50 segundos.

Lá em cima, além de você poder passar bastante tempo vendo Tóquio 360°, tem também um restaurante que fica em uma posição privilegiada da torre; e uma parte pequena com piso de vidro que dá pra ver boa parte da estrutura do Skytree. As crianças também vão curtir o passeio, pois lá em cima sempre tem uns mascotes fofíssimos do Skytree tirando fotos com os pequenos.

Caso você tenha medo de altura ou de desastres naturais, fique tranquilo. O Skytree é um dos lugares mais seguros para se estar em caso de terremotos. Ele foi construído com um sistema super moderno de amortecimento que protege a torre. Mas mesmo assim, em caso de terremotos graves chegando em Tóquio, a atração (assim como todas as outras) deve fechar.

Mas prepare-se: o Skytree é a atração turística mais visitada de Tóquio, tanto por japoneses como por estrangeiros. Por isso, costuma estar sempre lotado.
Tente comprar os ingressos antecipadamente, pela Internet, para evitar pegar umas filas gigantescas.

2. Asakusa

kaminari mon


Um lugar que você também tem que incluir no seu roteiro é a região de Asakusa. Lá é onde fica o templo Senso-ji, um dos templos mais famosos de Tóquio.

Você já deve ter visto muitas fotos do Kaminarimon, um portal de entrada para o templo, que tem uma lanterna enorme na frente, onde os turistas se acotovelam para tirar fotos.
O Kaminarimon é grandioso e além de tirar fotos, você poderá ver de perto como são feitas as estruturas japonesas e também apreciar as quatro grande estátuas do portal. As estátuas representam deuses da cultura japonesa.

Uma vez que você passar o portal, vai ver uma grande muvuca que te lembrará a 25 de março, só que com a organização japonesa. É o Asakusa Nakamise, um grande shopping a céu aberto, com lojinhas de souvenirs e de comidinhas típicas. Dá pra provar diversos tipos de biscoitinhos, sorvetes e chás diferentes. Lá, apesar de bem turístico, é um bom lugar para você comprar lembrancinhas. Tem de tudo: ímãs de geladeira, hashis, quimonos, camisetas, tudo o que uma boa área de compras para turistas tem. Tem coisa de todo tipo: barata e cara, boa e ruim, basta saber procurar. 

asakusa nakamise shopping street

Quando você conseguir vencer a multidão e também a sua vontade incansável de comprar, chegará à parte mais legal do passeio: o Templo Senso-ji. Ele é grandioso e se for o primeiro templo que visitar na sua vida, você ficará extasiado com o tamanho e a beleza.
No caminho até o templo, você pode experienciar algumas crenças budistas, como ficar perto de uma tina de incensos para atrair inteligência, jogar moedinhas para pedir sorte e tirar a sorte com uns palitinhos. 

Dá para entrar no Senso-ji também e visitar parte dele. Você ficará maravilhado como ele é bonito e diferente do que estamos acostumados a ver por aí.

senso ji temple

Se você der sorte, também vai conseguir ver gueixas e maikôs (aprendizes de gueixas) por lá, pois Asakusa é uma região bem tradicional de treinamento delas. Mas fique de olho para tentar encontrar uma verdadeira, pois você verá várias “imitações”.

3. Shibuya

shibuya

Quando você pensa no Japão, tenho certeza que além da comida, uma das primeiras imagens que vem na sua cabeça é o cruzamento em X que passam zilhões de pessoas todos os dias. Pois este cruzamento fica em Shibuya, uma área muito moderna e jovem de Tóquio. 

Mas tem outra coisa bem famosa lá em Shibuya que as pessoas adoram visitar: a estátua do Hachiko, aquele cachorrinho do filme “Sempre ao Seu Lado”, com o Richard Gere.
Se você não assistiu ao filme, assista antes de ir para o Japão. O filme conta a história de um cão que era tão fiel ao seu dono, que o esperava voltar do trabalho todos os dias na estação de Shibuya. Mesmo quando o dono morreu, e nunca voltou do trabalho, reza a lenda que o Hachiko continuou indo todos os dias até Shibuya para esperar o dono. 
A estátua é meio pequena, mas já que você vai estar em Shibuya, não custa nada passar lá para ver o cachorrinho.

hachiko statue

Shibuya é o lugar para ver japoneses estilosos e entender um pouco mais da cultura jovem japonesa!

4. Tsukiji

tsukiji fish market

Um dos lugares mais interessantes para conhecer em Tóquio e que todo amante de cozinha e de comida japonesa deve ir é no Tsukiji, o famoso mercado de peixes da cidade.

Você tem duas opções: pode ir no famoso leilão de atuns, que acontecem no amanhecer ou ir visitar o mercado no horário normal de funcionamento.
Se você quiser ver o leilão de peixes, prepare-se para chegar ao Tsukiji por volta das 2h da manhã e passar a noite no frio, ao relento. São pouquíssimas pessoas que entram para o leilão, que começa por volta das 6h e se você quiser garantir sua vaga, tem que encarar a fila mesmo.

Mas visitar o Tsukiji no horário normal vale a pena sim. Você vai ver diversas espécies de peixes e frutos do mar que nunca viu na vida, e provavelmente os mais frescos que já viu na vida.
Além disso, ao redor do Tsukiji tem várias barraquinhas que vendem produtos diversos relacionados à cozinha e até uma loja de facas, a Masamoto, que é famosíssima e que faz umas facas incríveis.

Também recomendo que você coma o que estiver sendo vendido nas barraquinhas de comida e que fique para almoçar em uma das tradicionais casas de sushi que tem no Tsukiji. Tem as mais famosas e as mais caras, mas é quase certo que em qualquer uma que você entrar, irá comer muito bem. 1000 vezes melhor do que todos os sushis que você já comeu por aqui, somados.

Mas fique de olho porque muitos turistas são tão sem noção às vezes, indo para o Tsukiji com malas grandes, carrinhos de bebê, fazendo bagunça, tirando fotos inadequadas, que o mercado já chegou a ser fechado para visitação. É importante lembrar que todo mundo que está ali, está trabalhando, então tente ser o mais discreto possível.

5. Odaiba

odaiba gudam tokyo
O Gundam de Odaiba 

Odaiba é uma ilha artificial criada nos anos 90 e por ser tão recente, toda a modernidade japonesa está lá. É uma região que atrai muitos jovens, pelos diversos shoppings que abriga, mas principalmente por ser a casa do Gundam de 18 metros de altura, que é um robô gigante de um famoso animê japonês que existe há mais de 30 anos. O povo pira nesse Gundam.
Pra quem viaja com crianças, é muito legal, pois elas ficam maravilhadas com o tamanho dele e adoram passar por baixo das pernas do Gundam. Se tem até adulto que acha legal, imagina as crianças.

Mas se Gundam não faz o seu tipo, não tem problema. Odaiba também é uma região muito bonita para se visitar na primavera, por causa dos sakuras e tulipas plantados por lá.

Mas se flores também não te agradam, tem um shopping grandão lá, o Diver City, com lojas internacionais e japonesas para passear e com uma praça de alimentação ótima.

6. Ginza

ginza tokyo


Você sabia que o Japão é um dos principais mercados para as marcas de Luxo? Os japoneses em geral adoram roupas e acessórios de grifes.

E se você quer comprar umas coisinhas por lá também, ver as tendências e os últimos lançamentos da moda ou só passear nas ruas e ver as vitrines lindas das marcas de Luxo, tem que ir até Ginza.
O passeio vale a pena mesmo que você não vá comprar nada, mas nas ruas laterais, que cortam as principais, dá para achar umas lojas bacanas de comida para comprar produtos típicos japoneses e até achar aquele presente especial que você precisa trazer para alguém no Brasil.

7. Akihabara

akihabara tokyo
Akihabara é Santa Efigênia no Brasil organizada e com produtos originais. Dá pra achar tudo o que é eletrônico lá, desde o novo iPhone até câmeras de segurança.
E também tem lojinhas de todos os tipos, as pequenininhas e escondidas e as grandes de rede.

Mesmo com o dólar alto, vale a pena dar uma olhada no preço das coisas em Akihabara, principalmente câmeras, pois além do preço, eles também têm uma variedade maior de modelos que nem chegam no Brasil e muita coisa tem isenção de impostos para turistas. Só não vá muito animado para comprar Go Pro por lá. Os japoneses praticamente desconhecem a câmera e é muito difícil encontrá-la nas lojas.

Pra quem curte animês e mangás, Akihabara também é o bairro. Lá, tem tudo o que é colecionável dos seus personagens preferidos.

COMO CHEGAR

Tóquio está conectada com o resto do país através das linhas do shinkansen, o trem-bala, e trens locais administrados pela Japan Rail (www.jreast.co.jp/e). Para destinos mais distantes companhias como ANA (www.anayskyweb.com) e Japan Airlines (www.jal.com) operam voos a partir dos aeroportos de Haneda (www.haneda-airport.jp/inter/en)e Narita (www.narita-airport.jp/en). Do aeroporto ao centro de Tóquio existem várias alternativas de conexão, mas as mais recomendadas são as linhas de trem.

COMO CIRCULAR

Tóquio possui uma vasta malha de trens metropolitanos e linhas de metrô. A linha circular Yamanote da Japan Rail interliga todas as principais estações ferroviárias da cidade, como Tóquio Central, Shinjuku e Ueno, todas com ligações com o metrô.

Hospedagem 

Como uma das principais cidades do mundo, a oferta de quartos aqui é farta. Há inúmeros hotéis de redes internacionais que possuem os serviços e estrutura de sempre, com staff fluente em inglês e preços razoáveis (para os padrões japoneses). Alguns estabelecimentos, como o Park Hyatt, encontram-se entre os melhores do mundo e são uma aula de etiqueta e bom serviço.

Passeios-em-Toquio
Fonte:Google

Como quase sempre há uma estação ferroviária ou de metrô perto dos hotéis, a localização não chega a ser um grande problema, mas vale a pena pesquisar estabelecimentos em bairros como Ginza, Hibiya, Roppongi e Shinjuku, no entorno da estação central Tokyo, ou nas imediações das estações da linha circular Yamanote, principalmente as de Ueno, Shibuya e Harajuku.

Albergues da juventude encontram-se entre as opções mais baratas e os hotéis-cápsula são só para os desesperados.

Onde dormir em Tóquio: Kimi Ryokan
Fonte:Almadeviajante

Tóquio é uma metrópole gigantesca. Ora, tendo tempo limitado para visitar a cidade, como qualquer viajante, é muito importante escolher bem onde se hospedar em Tóquio. Felizmente, os transportes públicos funcionam muito bem e, por isso, o efeito distância acaba por ser minimizado; mas ninguém quer passar o tempo dentro de comboios – ainda que eficientes – em vez de andar a descobrir Tóquio.

Os melhores bairros para se hospedar em Tóquio

Rua de Shibuya, Tóquio
Fonte:Almadeviajante
Rua de Shibuya, no coração de Tóquio

1. Triângulo Shibuya – Omotesando – Harajuku

 A área de Shibuya, em sentido lato – abarcando os bairros de Harajuku e Omotesando -,  é muito provavelmente a zona de Tóquio que melhor cumpre os critérios definidos para a hospedagem. Está bem servido de transportes, com fácil acesso a todas as zonas de Tóquio; fica próximo de muitas das atrações que mais gostei em Tóquio; e tem imensos restaurantes, cafés e vida social. O principal problema, é, no entanto, o custo dos hotéis de Shibuya. 

Alternativamente, saiba que, a oeste de Shibuya fica Shimokitazawa – o bairro vintage de Tóquio -, uma boa opção para quem pretender ficar num bairro mais tradicional e sem arranha-céus. Não fica, no entanto, na linha Yamanote.

Bairro Shibuya

Vantagens: localização, transportes, proximidade de atrações, muitos restaurantes
Desvantagens: preço, muito movimentado

2. Shinjuku

Shinjuku é, para muitos, a melhor área para se hospedar em Tóquio. Especialmente a zona a oeste da estação de metro. Pela positiva, os transportes estão facilitados pelo acesso à estação, uma das mais movimentadas da capital japonesa. Há milhares de restaurantes onde comer bem, incluindo os do muito curioso Piss Alley. E não faltam depachikas onde perder a cabeça – uma das coisas que considero imperdíveis fazer em Tóquio.

Tudo somado, Shinjuku é um bairro excelente para ficar em Tóquio. Mas sofre do mesmo problema de Shibuya: é caro! Se pretende dormir em Shinjuku, já sabe: reserve com antecedência.

Bairro Shinjuku

Vantagens: localização, transportes, muitos restaurantes
Desvantagens: preço, muito movimentado

3. Tokyo Station / Marunouchi

A Tokyo Station é a mais importante estação ferroviária de Tóquio. Faz parte da linha Yamanote e é de lá que partem alguns Shinkansen, nomeadamente para Kyoto. Além disso, Marunouchi é um bairro muito agradável e relativamente tranquilo – desde que se afaste das grandes avenidas.

Bairro Marunouchi

Vantagens: localização ao lado de Ginza, acessibilidades excelentes (incluindo o Shinkansen para Kyoto, por exemplo), muitos restaurantes
Desvantagens: nada de significativo, mas julgo que falta aquela boa onda de outras zonas

4. Ueno e Asakusa

Se o objetivo for poupar dinheiro durante a estadia em Tóquio, o melhor conselho que posso dar é evitar os hotéis de Ginza, Shinjuku e Shibuya. São bairros excelentes e que eu recomendo, mas dispendiosos.

Assim, as zonas de Ueno e Asakusa, consideradas áreas Shitamachi (a velha Tóquio), são mais antigas e menos apelativas mas têm fáceis acessos de metro e, mais importante, têm hotéis mais baratos.

Bairro Ueno e Asakusa

Vantagens: viver numa Tóquio mais tradicional, preço
Desvantagens: sem linha Yamanote (no caso de Asakusa), localização (mais longe das “atrações”)

 

Gastronomia 

O prato nacional do Japão, o sushi, nasceu aqui, quando a capital ainda se chamava Edo. Aqui encontram-se as melhores casas especializadas no prato com preços normalmente dolorosos. Para comer bem e economizar um pouco, vá até os restaurantes próximos ao mercado de Tsukiji. Igualmente premiados são restaurantes estrelados que trazem o melhor da gastronomia francesa e local, servindo iguarias como enguia grelhada, espetinhos sortidos fritos (kushi-age), populares espetinhos grelhados (kushimono, sendo o mais conhecido o yakitori de frango) e muito mais. Aliás, considerando que tem gente do Japão inteiro morando aqui, você encontrará todo tipo de prato.

Uma boa dica é entrar em uma loja de departamentos, como a Mitsukoshi ou a Takashimaya, e explorar seus andares dedicados à gastronomia. Neles você encontrará diversos pequenos e simpáticos restaurantes, especializados em diversas cozinhas.

Não se acanhe também frente aos excelentes cafés locais, sempre servindo tortas e bolos muito melhores do que a média brasileira.

A cultura japonesa é uma das mais exóticas para os ocidentais, e um bom reflexo disso é a sua gastronomia. Viajar até ao outro extremo do mapa-múndi e resistir a suspender os vossos hábitos alimentares ocidentalizados não faz muito sentido, por isso, “façam o esforço” por conhecer o melhor da gastronomia de Tóquio. 

Comida Toquio takoyaki
Fonte:Rumbo.pt

A primeira coisa que devem saber é que almoçar ou jantar em Tóquio não é muito caro. Há 60.000 restaurantes, assim que encontrar algo que se encaixe no vosso orçamento e aos vossos gostos não deve ser complicado. A localização dos restaurantes japoneses não é muito intuitiva (para o senso-comum ocidental), uma vez que é normal situarem-se ou, no último piso ou, no piso térreo de alguns edifícios com aspecto dúbio, mas uma vez entrando, não deixam de ser apelativos.

O serviço é impecável e personalizado, e à factura acrescenta-se 5% de imposto sobre o consumo sendo que nos restaurantes mais luxuosos é prática comum adicionar 10 a 15% de taxa de serviço. Muita atenção no capítulo de deixar gorjeta: não só não é costume, como pode ser considerado ofensivo se o fizerem.

RAMEN PARA O PEQUENO-ALMOÇO

Não é certamente o pequeno-almoço que estariam à espera, mas como dissemos no início não cruzaram meio mundo para começar o dia com torradas. O ramen é uma sopa de massa japonesa, cujos “fios”, fervidos em água, se servem num caldo (existem diferentes variedades) coberto com algum tipo de gu(acompanhamento), como legumes cozidos, ovos, troncos de bambu, pedaços de carne de porco, neginori ou wakame.

Normalmente é o cliente que escolhe o gu. É hábito comer-se em postos de comida rápida ou ambulante, é um das comidas mais baratas que também se pode preparar em casa. No coração da cidade, debaixo da estação de Tóquio, encontramos a Tokyo Ramen Street, um espaço onde abundam os restaurantes especializados em ramen. Muitos abrem logo pela manhã, por isso podemos aproveitar para começar a nossa jornada turística num deles. Há também restaurantes da especialidade em Yurakucho, uma ruela paralela à linha comboio em Ginza.

COMIDA DE RUA

Se não quiserem gastar muito dinheiro em refeições, podem sempre recorrer à comida de rua. Por exemplo, à hora do almoço certamente que se depararão com uma fila de locais à espera para comprar bentosBento é uma caixa de comida, regra geral com quatro compartimentos, que leva, entre outras coisas, arroz, legumes e frutos do mar ou carne. O preço oscila em torno de ¥ 500 (mais ou menos €3,90, dependendo do cambio) e assim ficarão com uma ideia do menu japonês tradicional.

Mercado peixe Tóquio
Fonte:Rumbo.pt

O sushi é de longe a especialidade mais conhecida da cozinha nipónica, por isso, é escusado dizer que têm de o provar aí. Como tal, devem dar um salto ao mercado de peixe de Tsukiji já que nas suas imediações servem um sushi de comer e chorar por mais. Alternativamente, dêem meia volta e regressem à zona de Yurakucho, onde também encontrarão sushi de primeira qualidade. Em Shinjuku, outro dos hotspots da cidade, dêem uma espreitadela ao “beco dos yakitori”. É uma viela paralela às linhas férreas onde é de lei provar as espetadinhas de yakitori.

RESTAURANTES

Em Tóquio encontrarão restaurantes de vários tipos, pelo que falaremos sobre as zonas em que podemos experimentar as iguarias mais conhecidas. Por exemplo, o bairro de Ginza, no centro, é um dos melhores lugares do mundo para se deliciarem com a tempura. São pequenos pedaços de marisco ou vegetais fritos que se pode mergulhar em diferentes molhos. Na verdade, nalguns sítios é um tanto ou quanto cara. Outra especialidade que tão pouco é assim muito barata é o Fugu, o perigoso – pelo seu veneno – peixe-balão, que só o devem comer em restaurantes licenciados para o servir.

Os aficionados das séries anime, e principalmente de Gundam, não podem perder o Gundam Cafe no bairro de Akihabara. A apresentação dos pratos é bastante elaborada e engraçada. Outro prato muito típico é o chanko-nabe, um elemento essencial na dieta dos lutadores de Sumo. Ryogoku é o bairro desta arte marcial Japonesa por excelência e seguramente que aí podem comer esse ensopado elaborado para fortalecer os lutadores à base de produtos hortícolas, de miso, massa, sake doce, cogumelos e carne ou marisco. Se preferirem algo mais “familiar” (ao palato) em Ebisu têm de passar por Blacows para ferrar os dentes nos seus hambúrgueres.

Sushi Tóquio
Fonte:Rumbo.pt

Shin-Okubo é o bairro Coreano de Tóquio, por isso, se quiserem conhecer esta cozinha só têm que entrar num dos seus restaurantes. Há também muitos restaurantes Coreanos em Uguisudani, no bairro de Ueno, onde recomendamos o yakiniku, uma carne grelhada – também põem marisco ou verduras na grelha – que se come com uma multiplicidade de molhos. Curiosamente, 29 de agosto marca o dia oficial do Yakiniku – declarado pela Associação Japonesa da especialidade.

Tóquio é a cidade com mais estrelas Michelin no mundo. A capital do país do sol nascente pode gabar-se de ter 12 restaurantes com três estrelas, o máximo: Yukimura, Esaki, Ishikawa, Joël Robuchon, Kanda, Quintaesence, Ryugin, Sukiyabashi Jiro Honten, Saito, Yoshitake, Usukifugu Yamadaya e Makimura, o último a alcançar tal desiderato. A estes somam-se 53 com duas estrelas e 161 com uma.

BARES

Se ainda não experimentaram a cerveja japonesa, recomendamos a visita ao Museu da Cerveja Yebisu, no bairro de Ebisu. Lá poderão degustar a Sapporo, cerveja mais popular do Japão, enquanto ficam a conhecer a sua história e processo de fabrico. Em Roppongi está o Goshiki, literalmente “cozinha de cerveja”, um local que parece um híbrido entre um pub Inglês e um espaço japonês, com uma decoração minimalista. A cerveja que servem é elaborada pelos produtores locais. Neste bairro há também muitos bares internacionais frequentados por estrangeiros.

comida takoyaki Tóquio
Fonte:Rumbo.pt

De volta a Shinjuku, podemos tomar um copo no hotel Park Hyatt, tal como Bill Murray e Scarlett Johansson em ‘Lost in Translation’. Finalizem com estilo em Nishiazabu, uma rua bastante luxuosa, onde encontrarão uma das casas nocturnas mais espectaculares de Tóquio. Trata-se de Kusafe Azabu, um bar situado por detrás de uma porta discreta onde o licor de sochu é a bebida estrela, talvez porque algumas garrafas se assemelham às de whisky caseiro destilado nos Estados Unidos durante a Lei Seca.

COMPRAS 

No passado, Tóquio era uma espécie de Meca dos eletrônicos, principalmente no bairro de Akihabara. Esse DNA continua vivo na alma da cidade, sempre cheio de ofertas em câmeras fotográficas de marcas como Nikon e Canon, ou aparelhos de som de acústica perfeita. No entanto, vale a pena explorar lojas casuais que vem ganhando o mundo, como Uniqlo e Muji, grandes lojas de departamento – Isetan, Takashimaya, Mitsukoshi e Daimaru, entre outras – e uma das ruas mais charmosas da Ásia, Omotesando, repleta de lojas de grife, restaurantes e a Kiddyland, especializada em brinquedos.

Tradicionais aparelhos de chá, quimonos, leques, papéis e cadernos, materiais de desenho e pintura e brinquedos de personagens como Pokemon, Hello Kitty, Doraemon e do Studio Ghibli são opções de suvenir bastante populares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:https://magaliviajante.com/7-pontos-turisticos-de-toquio-para-incluir-no-seu-roteiro/ http://www.rumbo.pt/promo/dicas-viajantes/toquio/gastronomia-toquio.html http://viagemeturismo.abril.com.br/cidades/toquio/http://www.almadeviajante.com/onde-se-hospedar-em-toquio/

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s